tormenta

O bom marinheiro se prova em mar de tormenta

Estamos vivendo um momento muito delicado, uma crise que irá colocar em prova nossas habilidades, nosso modo de viver e nossas prioridades.

É algo muito sério, sem precedentes e que mostra que não estávamos prontos em muitos sentidos. Olhando para o ambiente empresarial, os executivos precisaram tomar medidas, rápidas, em poucos dias. Mas será que estavam preparados? 

Em tempos difíceis é que vemos quem está pronto para liderar. Diz o ditado que “o bom marinheiro se prova em mar de tormenta”. Ao longo do avanço dessa crise, nossos líderes precisarão tomar decisões pautadas em fatos e uma matriz de risco adequada e com responsabilidade. Mas será que todos possuem esse mapeamento adequado?

A necessidade de diminuir as estruturas para combater a contaminação trouxe à tona que nem sempre há uma preocupação em preparar sucessores. Falta planejamento, processo e previsibilidade interna para que as operações não parem. Será que as empresas realmente olham para o pipeline de sucessão?

Por outro lado, depois que tudo isso passar iremos calcular o preço da falta de rotina em equipes que estão em home office e não sabem entregar sem o “chefe”.

Ainda não sabemos quando retornaremos, precisamos entender como será a evolução das pandemias em nosso país. Mas depois que tudo isso passar, as companhias precisarão olhar para seus executivos e encontrar aqueles que têm as habilidades para fazer uma grande mudança, trazer eficiência, negociar os endividamentos, repensar as estruturas.

O futuro é incerto, mas haverá muita oportunidade para bons marinheiros.

Estamos vivendo um momento muito delicado, uma crise que irá colocar em prova nossas habilidades, nosso modo de viver e nossas prioridades.

É algo muito sério, sem precedentes e que mostra que não estávamos prontos em muitos sentidos. Olhando para o ambiente empresarial, os executivos precisaram tomar medidas, rápidas, em poucos dias. Mas será que estavam preparados? 

Em tempos difíceis é que vemos quem está pronto para liderar. Diz o ditado que “o bom marinheiro se prova em mar de tormenta”. Ao longo do avanço dessa crise, nossos líderes precisarão tomar decisões pautadas em fatos e uma matriz de risco adequada e com responsabilidade. Mas será que todos possuem esse mapeamento adequado?

A necessidade de diminuir as estruturas para combater a contaminação trouxe à tona que nem sempre há uma preocupação em preparar sucessores. Falta planejamento, processo e previsibilidade interna para que as operações não parem. Será que as empresas realmente olham para o pipeline de sucessão?

Por outro lado, depois que tudo isso passar iremos calcular o preço da falta de rotina em equipes que estão em home office e não sabem entregar sem o “chefe”.

Ainda não sabemos quando retornaremos, precisamos entender como será a evolução das pandemias em nosso país. Mas depois que tudo isso passar, as companhias precisarão olhar para seus executivos e encontrar aqueles que têm as habilidades para fazer uma grande mudança, trazer eficiência, negociar os endividamentos, repensar as estruturas.

O futuro é incerto, mas haverá muita oportunidade para bons marinheiros.

dados no rh

Dados na gestão de Gente

Formação, doenças pré-existentes, ter acesso a e-mail corporativo ou celular corporativo. Esses são alguns dos dados fundamentais neste momento de pandemia para que o RH fizesse um mapeamento para a tomada de decisão.

Conhecer o colaborador é parte do trabalho de uma gestão de Gente realmente efetiva. Mas isso não é tarefa simples e fácil: além de uma boa integração para captar as informações iniciais é preciso ter uma jornada de atualização desses dados periódica.

 Além de coletar essas informações, não bastar ter tudo em um arquivo em papel ou mesmo na nuvem de forma desordenada. 

Um bom sistema de gestão é acessível e está armazenado em um ambiente seguro. Afinal, a segurança da informação e a Lei Geral de Proteção de Dados precisam ser consideradas. 

A Gestão de Gente é eficiente quando apoia e fala a linguagem do negócio. Por isso, é tão importante termos dados sobre nossas pessoas para trazermos as necessidades para uma companhia de alta performance.

Formação, doenças pré-existentes, ter acesso a e-mail corporativo ou celular corporativo. Esses são alguns dos dados fundamentais neste momento de pandemia para que o RH fizesse um mapeamento para a tomada de decisão.

Conhecer o colaborador é parte do trabalho de uma gestão de Gente realmente efetiva. Mas isso não é tarefa simples e fácil: além de uma boa integração para captar as informações iniciais é preciso ter uma jornada de atualização desses dados periódica.

 Além de coletar essas informações, não bastar ter tudo em um arquivo em papel ou mesmo na nuvem de forma desordenada. 

Um bom sistema de gestão é acessível e está armazenado em um ambiente seguro. Afinal, a segurança da informação e a Lei Geral de Proteção de Dados precisam ser consideradas. 

A Gestão de Gente é eficiente quando apoia e fala a linguagem do negócio. Por isso, é tão importante termos dados sobre nossas pessoas para trazermos as necessidades para uma companhia de alta performance.